Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Histórico

O instituto de Identificação Delegado Mário Pedro, possui hoje, a maior rede informatizada de postos de emissão de carteira de identidade do Brasil. Num total de 23 postos de atendimento espalhados pela capital e interior do Estado, sendo 05 Centrais Já de Atendimento em Maceió, 14 postos informatizados no interior do Estado, 03 não informatizados também no interior de Alagoas e sua sede central no Centro da Capital, o II através do processo de informatização, conseguiu assegurar a confiabilidade, agilidade e eficiência no serviço prestado a população.

O instituto de Identificação Delegado Mário Pedro, possui hoje, a maior rede informatizada de postos de emissão de carteira de identidade do Brasil. Num total de 23 postos de atendimento espalhados pela capital e interior do Estado, sendo 05 Centrais Já de Atendimento em Maceió, 14 postos informatizados no interior do Estado, 03 não informatizados também no interior de Alagoas e sua sede central no Centro da Capital, o II através do processo de informatização, conseguiu assegurar a confiabilidade, agilidade e eficiência no serviço prestado a população.

Mas nem sempre foi assim, no início de 2008, o Instituto de Identificação Delegado Mario Pedro tinha um déficit de quarenta mil carteiras de identidades, documentos parados que trazia transtornos à população. Essa realidade só conseguiu ser mudada após a implantação de um projeto ousado de informatização e interiorização, com a revitalização e construção de novos postos, realizado pela Secretaria de Estado de Defesa Social.
 
Atualmente todos os postos têm a capacidade de atender no mínimo, 70 cidadãos diariamente, uma media mensal de 1500 documentos, acabando com um grande problema enfrentado pela população, as filas de espera que se formavam em plena madrugada.
 
O prazo para a emissão das carteiras também diminui, cinco dias para a primeira via, e dez dias para a segunda nos postos do interior, na capital este prazo cai até para 48 horas, isso graças à implantação do programa de identificação civil AFIS, que digitaliza as assinaturas, as digitais e as imagens do usuário num banco de dados com capacidade para 600 mil identificações.
 
A descentralização no atendimento, com a criação desses postos em regiões pólo acabou com a necessidade de deslocamento da população até a capital para tirar um único documento, o que acarretava gastos com passagens, além dos gastos com a taxa de emissão da identidade. Agora o cidadão pode procurar o posto mais próximo a sua cidade e tirar a sua carteira de identidade, o processo é todo digitalizado, e através de um convênio firmado com os Correios, ele ainda recebe o documento em casa, sem pagar mais nada.
 
Na capital, além da sede do II, o serviço de emissão da 1ª e 2ª via da carteira de identidade pode ser encontrado nos Postos dos Shoppings Farol e Miramar, na Prefeitura Comunitária do Benedito Bentes, e nas Centrais de Atendimento ao Cidadão - JÁ Centro e Mangabeira. No interior as cidades de Arapiraca, Coruripe, Delmiro Gouveia, Matriz do Camaragibe, Palmeira dos Índios, Pão de Açúcar, Penedo, Santana do Ipanema, São Luiz do Quintude, São Miguel dos Campos, Teotônio Vilela, União dos Palmares, e Viçosa possuem postos informatizados e em Batalha, Campo Grande e Piranhas o serviço é feito de forma manual.

Em 2009 dando mais um passo no projeto de modernização e interiorização, o II criou o Setor de Registro de Identificação Criminal com a implantação do sistema AFYS de identificação criminal, um cadastro atualizado diariamente que permite a identificação correta de pessoas envolvidas em crimes cometidos em qualquer parte do Estado. Um serviço de combate a criminalidade.

De responsabilidade da Perícia Oficial do Estado de Alagoas (PO/AL) e instalada dentro da Central de Polícia, o setor já registrou 2.124 de detentos só na Capital.  Toda vez que alguém, independente de sexo, maior de idade, envolvido em algum delito como acusado, preso em flagrante delito dá entrada na Central é incluído automaticamente no cadastro de Identificação Criminal.

Quando essa mesma pessoa cometer um novo delito, as informações são repassadas para o sistema, alimentando sua ficha criminal que pode ser consultada a qualquer momento pelas autoridades competentes.  A consulta é realizada através de exames periciais das digitais feitos pelos Papiloscopistas de Alagoas.

Além disso, quando alguém da entrada sem documento oficial, o setor através das digitais e do exame papiloscopico confere no registro criminal sua identificação original, os crimes que já cometeu, se é foragido e se há algum mandado de prisão em aberto.

Com a implantação de novas centrais de polícia na capital e no interior do estado, a Perícia Oficial agora estuda a possibilidade da ampliação e interiorização do setor de registro criminal para o resto do Estado.

Ações do documento