Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias 2017 04 - Abril Tacógrafos dos ônibus envolvidos em acidente, além de outros vestígios, serão analisados pelo Instituto de Criminalística
01/04/2017 - 00h09m

Tacógrafos dos ônibus envolvidos em acidente, além de outros vestígios, serão analisados pelo Instituto de Criminalística

Invasão do local por curiosos prejudicou os levantamentos iniciais na rodovia AL 110

Tacógrafos dos ônibus envolvidos em acidente, além de outros vestígios, serão analisados pelo Instituto de Criminalística

Acidente deixou vários feridos e 6 mortos. Foto cortesia: Fábio Araujo

Texto Aarão José

 

As peritas criminais do Instituto de Criminalística de Alagoas, que periciaram o local do acidente entre dois ônibus escolares em um trecho da rodovia AL 110, afirmam que os vestígios analisados no local permitem indicar a causa determinante do acidente. A invasão da contramão pelo ônibus que seguia para São Sebastião foi o fator preponderante da colisão que vitimou fatalmente 6 pessoas.

 

Sobre a dinâmica do evento, a perita criminal Suely Mauricio — que realizou os trabalhos iniciais no local juntamente com a colega, também perita, Miriam Regina Braga — explicou que a ausência de marcas de frenagem na pista leva a entender que a manobra irregular foi tão rápida e inesperada, que os condutores não tiveram tempo de acionar os sistemas de freio ao ponto de bloquear as rodas. 

 

Outro elemento descoberto durante o exame foi a tentativa do motorista do ônibus que estava na mão correta em desviar da colisão. Ele teria puxado o seu veículo para o acostamento, buscando evitar uma colisão frontal total. O impacto maior foi no lado esquerdo, onde fica a poltrona dos condutores. A magnitude e a localização dos danos prejudicaram a análise do sistema de dirigibilidade dos veículos. 

 

Sobre a informação de que um trator poderia ter sido o elemento que provocou o desvio do ônibus para a pista contrária, a perita disse que não foram encontrados vestígios que indicassem a presença de veículo parado ou qualquer outro obstáculo que pudesse impedir o tráfego normal no trecho examinado, obrigando o ônibus a invadir a faixa de sentido contrário e provocar o acidente. 

 

“A perícia criminal trabalha com elementos materiais, não com a subjetividade, cabendo à Polícia Civil ouvir o depoimento de testemunhas e de sobreviventes para confirmar ou não essa hipótese. Nós, peritos criminais, até ouvimos o que é dito no local, mas somente para estudar  a viabilidade técnica, analisando os elementos materiais e verificando se eles corroboram ou não com o que está sendo dito por supostas testemunhas. 

 

O conjunto de tacógrafos, dispositivo utilizado para monitorar veículos, de ambos os ónibus foram recolhidos pela equipe para análise na sede do IC.  Esse exame complementar será realizado para saber o tempo de uso, a distância percorrida e a velocidade desenvolvida antes e durante o acidente. Entretanto, segundo Suely, ainda será verificado se os equipamentos estavam em situação regular, conforme o Código de Trânsito Brasileiro e demais normas regulamentares. 

 

Suely Maurício ainda fez um alerta à população, em casos de acidentes dessa natureza, de alta complexidade e com muitas pessoas envolvidas, após garantir o salvamento das vítimas, o local deve ser completamente isolado. Diferentemente do que foi feito nesse caso, em que o local do acidente foi invadido por curiosos que queriam gravar imagens e vídeos das vítimas, contribuindo para a alteração de alguns vestígios.

 

A perita explicou que, agora, o exame pericial entra em outra fase, onde todos os dados e o vasto levantamento fotográfico serão analisados com calma. Um trabalho complexo, que demanda tempo e envolve exames complementares. Essa parte que antecede o laudo final busca uma resposta para os possíveis fatores que contribuíram para o comportamento do condutor em invadir o sentido oposto da via. Um animal, falha mecânica, humana, um outro veículo? Todas essas hipóteses serão analisadas.

 

“O Levantamento no local é apenas o início da análise do fato. O trabalho da perícia em casos dessa natureza, acidente de trânsito, tem como objetivos principais estabelecer a dinâmica do evento e a sua causa determinante. No caso de São Sebastião, identificar a conduta ou condição sem a qual o acidente não teria ocorrido. Ficou claro que foi a invasão da contramão”. Afirmou a perita, que espera concluir o laudo em 30 dias.

Ações do documento