Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias 2017 06 - Junho Peritos criminais de Alagoas estabelecem vínculos genéticos para identificar restos mortais
05/06/2017 - 09h50m

Peritos criminais de Alagoas estabelecem vínculos genéticos para identificar restos mortais

Uso de método virou trabalho científico apresentado em Conferência Internacional realizada pela Academia Brasileira de Ciências Forenses e pela Sociedade Brasileira de Ciências Forense

Peritos criminais de Alagoas estabelecem vínculos genéticos para identificar restos mortais

Os peritos oficias criminal de Alagoas, Dra. Rosana Coutinho e Dr. Marek Henryque, durante a apresentação de trabalho científico, na sessão de painéis do InterFORENSICS, em Brasília.

Texto: Aarão José

 

O trabalho científico na área da genética forense desenvolvimento pelo perito criminal Marek Henryque com a colaboração da perita criminal, Dra Rosana Coutinho, chefe do laboratório forense do Instituto de Criminalística estabeleceu o método usado para a identificação humanae em Alagoas. Com o título de “Marcadores STR aplicados na identificação humana a partir de restos Mortais”, o resultado da pesquisa foi apresentado na última semana na InterForensics: Conferência Internacional de Ciências Forenses realizada em Brasília.

 

Considerado o maior evento integrado de Ciências Forenses da América Latina, a conferência contou com a participação de palestrantes e expositores nacionais e internacionais em dez trilhas temáticas. Entre eles estava os peritos alagoanos que apresentaram um painel de trabalho que objetivou contribuir para a elucidação de um caso criminal, no qual foram realizados exames de DNA em restos mortais de um cadáver encontrado na cidade de Maceió, em Alagoas.

 

Segundo Marek Henryque, biomédico com doutorado em biologia aplicada à saúde com ênfase em genética, a vítima desse caso de homicídio foi esquartejada, gerando grande repercussão no estado, e através da obtenção dos perfis genéticos, o corpo foi identificada e o caso foi elucidado. Ele destaca que o atual contexto social obriga por parte do governo, profissionais de segurança pública e cientistas, uma busca constante por alternativas e metodologias cada vez mais eficientes que permitam identificar criminalmente as vítimas e os autores dos ilícitos penais.

 

“No painel mostramos os avanços no que diz respeito à identificação humana por DNA. Nesse sentido, o estado de Alagoas está equipado com tecnologia de ponta na área de identificação humana por DNA, atendendo inclusive, as novas orientações do sistema CODIS usado pelo FBI e INTERPOL para a utilização de marcadores requisitados e recomendados para a inclusão de perfis genéticos em bancos de dados no mundo.” Explicou o perito.


InterFORENSICS
Peritos Oficiais Criminais de Alagoas no InterFORENSICS, no Royal Tulip, em Brasília. Fotos arquivo pessoal;

Para Marek, receber o convite e poder apresentar o seu trabalho na InterForensics foi muito gratificante. Na conferência realizada pela Academia Brasileira de Ciências Forenses e pela Sociedade Brasileira de Ciências Forenses foram reunidos no mesmo espaço diversos profissionais como peritos criminais, médicos-legistas, policiais civis e federais, juízes, membros do Ministério Público, defensores públicos, advogados, pesquisadores e estudantes das diversas áreas das ciências forenses.

 

Ele destacou que o resultado do seu trabalho demonstra a importância do investimento em pesquisas científicas e na contratação de profissionais especializados para operar os equipamentos já instalados no laboratório do Instituto de Criminalística. O trabalho teve a colaboração da Polícia Científica de Pernambuco.

Ações do documento