Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Sala de Imprensa Notícias 2018 03 - Março Exame de DNA identifica corpo encontrado carbonizado dentro de carro em Coité do Noia
09/03/2018 - 12h49m

Exame de DNA identifica corpo encontrado carbonizado dentro de carro em Coité do Noia

Laudo elucida caso garantindo direito da família de receber os restos mortais para realizar sepultamento

Exame de DNA identifica corpo encontrado carbonizado dentro de carro em Coité do Noia

Perito criminal Marek Henryque analisando as amostras de DNA no Laboratório de Genética Forense. (Foto: Aarão José)

Texto Aarão José

O Laboratório de Genética Forense do Instituto de Criminalística (IC) de Alagoas confirmou nesta sexta-feira, 09, que o corpo encontrado carbonizado, em janeiro, dentro da mala de um carro incendiado na zona rural de Coité do Nóia, é mesmo de Joel Junior Pereira Nunes, de 26 anos. A vítima é filho de Joel Pereira, ex-vereador por Craíbas, cidade da Região Metropolitana do Agreste, e que havia falecido de câncer uma semana antes.

O exame foi realizado perito criminal Dr. Marek Henryque Ferreira Ekert especialista em perícia e genética forense, mestre em ciências biológicas e doutor em biologia aplicada à saúde. Ele explicou que recebeu 02 (dois) arcos costais e 01 (um) fragmento de tecido cardíaco retirados do cadáver não identificado, para comparar com o material genético coletado em swabs contendo secreção da mucosa bucal da suposta mãe e irmã da vitima.

“Devido ao alto grau de carbonização foi bem difícil extrair o material genético para o exame. Foram necessários várias tentativas para conseguir o DNA que foi comparado com a amostra referência da suposta mãe devido a relação genética direta”, explicou o perito criminal.

As amostras do material genético extraído foram submetidas, através da reação em cadeia do polimerase, à amplificação do DNA, e depois foi feito a eletroforese capilar no sequenciador genético. 

“Neste caso, foi necessário um empenho e tempo gasto maior no intuito de tentar fazer a extração do DNA, devido às condições da amostra recebida. Mas, o exame deu resposta de forma elucidativa, altamente confiável, dando certeza que realmente os restos mortais são da vítima”, afirmou o doutor Marek Henryque.

O laudo completo foi encaminhado para o IML de Arapiraca, onde estão guardados os restos mortais da vítima, após exame cadavérico. Os materiais biológicos encaminhados e não utilizados nos exames ficarão arquivados para contra-perícia em conformidade com a legislação brasileira. 

Ações do documento